Artigo
A Dor Lombar - Clinica Fortius -PT7G3ZQ

Segundo a Organização mundial da saúde, cerca de 80-85% das dores nas costas não possuem causa diagnosticada e até 80% da população mundial já teve um episódio de dor em sua vida¹.

Estudos já conseguiram calcular que aproximadamente 10 milhões de brasileiros ficam incapacitados por causa desta morbidade e pelo menos 70% da população o sofrer um episódio de dor na vida².

A dor nas costas atinge principalmente pessoas em idade ativamente econômica, geralmente tornando o indivíduo incapacitado por um tempo pequeno a até anos, aumentando consequentemente o absenteísmo em empresas acabando por gerar déficits econômicos.

A nas costas é considerada a causa mais frequente de morbidade, incapacidade e redução na qualidade de vida³, bem como, de frequentes afastamentos de trabalho, diminuição na produtividade e aumento de despesas médicas4-6,esta condição passou a ser considerada como uma Síndrome de caráter biopsicossocial e não mais uma doença de caráter puramente biomédico7.

Nos Estados Unidos lombalgia ou dor lombar é a causa mais comum de limitação entre pessoas de 35 a 45 anos, sendo a segunda razão mais frequente para visitas a médicos e a terceira causa mais comum para procedimentos médico-cirúrgicos.

Lombalgia é definida por qualquer dor na região lombar, geralmente acompanhada de espasmos musculares, redução da mobilidade e dor que pode irradiar para as pernas.

Essa dor limitante pode continuar por longos períodos afetando diversos aspectos da vida, causando distúrbios do sono, aumentando o sedentarismo, somado a incapacidades funcionais gerando assim depressão.

A lombalgia pode ser inicialmente aguda ou crônica, ou de início súbito ou já acometendo o sujeito a longos meses ou anos. Ainda classificamos quanto a intensidade e forma de manifestações das dores lombares.

Causas de Dores Lombares

Inicialmente a dor lombar se apresenta como contraturas musculares, redução da mobilidade, ou apenas uma contratura, podendo ser tratada com alongamentos, exercícios e analgesias.

Porém o que a maior parte das pessoas acaba apenas tomando um medicamento que irá mascarar a dor, mas não trata a causa, que normalmente vem de problemas de hábitos, tirando os hábitos teremos problemas genéticos, que com algumas mudanças de hábitos podemos amenizá-los, postergá-los e na grande maioria dos casos trata-los, com coisas simples, como alongamentos e exercícios.

Outras causas que comumente encontramos são doenças degenerativas dos disco intraverterbrais.

Dor Lombar 2 - Clinica Fortius
Dor Lombar 1 - Clinica Fortius

Vemos dois tipos de degenerações nestas imagens acima, degenerações como desidratação dos discos que acabam por gerar aumento da massa óssea nas bordas dos ossos da coluna, causando os “bicos de papagaios” ou atualmente conhecidos como Osteófitos marginais, uma degeneração leva a outra.

Já na esquerda observamos uma degeneração dos disco com em formato de hérnia, protusão e desgaste dos discos.

Todas essas dores poderiam ser evitadas com hábitos simples, como manter a hidratação contínua do corpo, evitar posturas erradas, praticar exercícios simples e de forma contínua para evitar a longo prazo.

Algo como um investimento, você poupa hoje para ter no futuro, se gastar todo seu dinheiro hoje não terá nada no futuro.

Com sua saúde é assim, se você fizer a prevenção hoje poderá ter mais saúde no futuro.

Você sabia que dez semanas de treinamento leve na musculatura interna do abdômen traz diversos benefícios como alívio nas dores e melhora da qualidade de vida8.

Bom existem algumas doenças que são de origem genética e nesses casos os exercícios e alongamentos irão aumentar a longevidade da pessoa ou postergar o nível máximo da doença, um caso é uma doença conhecida como coluna em Bambu ou Espondilite Anquilosante.

Está é uma doença progressiva, inflamatória e cronica que acomete a coluna, normalmente inicia na coluna sacra, envolve os ilíacos e segue pela coluna vertebral, atingindo inserções de ligamentos os olhos, pele e sistema digestivo também podem ser acometidos.

É uma doença de cunho genético que acomete maioria de homens entre 20 a 30 anos, por se tratar de uma doença de cunho genético e não mecânico (hábitos e atividades), ela normalmente apresentam dor durante o repouso, e quando o sujeito quer se movimentar ele sente uma resistência.

Outro acometimento comum da coluna são as escolioses, que podem ser de origem posturais ou idiopáticas (causa genética ou sem causa definida).

As escolioses geram dores, desconfortos, dificuldades de mobilidade, e normalmente iniciam durante a adolescência, na maioria dos casos podem ser tratados com alongamentos e exercícios em casos mais extremos quando a escoliose acaba por pressionar os órgãos internos cirurgias são necessárias, a ciência já está alterando esse pensamento e cirurgias estão cada vez nesso necessárias e o tratamento conservador está sendo adotado pela maioria das pessoas.

O que fica como mensagem final? Que independe do tipo de dor nas costas, você poderá tratá-la e atenuar os sintomas, (sabendo as causas) com o incremento de exercícios e alongamentos e criação de uma rotina diária.

Assine nossa Newsletter para receber as novidades do site siga-nos no instagram e no youtube para receber várias dicas de como ter uma saúde do corpo melhor!

poi

Referências

  1. http://www.who.int/chp/topics/rheumatic/en/ – Chronic diseases and health promotion
  2. TEIXEIRA, M.J. Tratamento multidisciplinar do doente com dor. In: Carvalho M.M.M.J., organizador. Dor: um estudo multidisciplinar. S„o Paulo: Summus Editorial, 19 9. p.: 7 -85.
  3. CECIN, H. A. Noções práticas de reumatologia. Belo Horizonte: Editora Health, 1996.
  4. MOREIRA, C.; CARVALHO, M.A.P. Reumatologia-Diagnóstico e tratamento. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 2™edição, 2001. p.:808.
  5. COOK, F.M.; HAS ENKAMP, A. Active Rehabilitation for chronic low back pain the patients’ perspective. Physiotherapy, v.86, n.2, 2000.
  6. BUCHNER, M.; NEUBAUE, E.; ZAHLTEN-HINGURANAGE, A.; SCHILTENWOLF, M. The Influence of the Grade of Chronicity on the Outcome of Multidisciplinary Therapy for Chronic Low Back Pain. Spine, v.32, n. 26, p.:3060-66 , 2007.
  7. HENEWEER, H.; AUFDEMKAMPE, G.; van TULDER, M.W.; KIERS, H., STAP AERTS, K.H.; VANHEES L. Psychosocial Variables in Patients With (Sub)Acute Low Back Pain An Inception cohort in Primary Care Physical Therapy in the Netherlands. Spine v.32, n.5, p.:586ñ92, 2007.
  8. Puntumetakul et al, Effect of 10-week core stabilization exercise training and detraining on pain-related outcomes in patients with clinical lumbar instability, Patient Preference and Adherence 2013:7 1189–1199.
Letícia Leal

Letícia Leal

Fisioterapeuta Graduada pela universidade Luterana do Brasil - ULBRA/RS em 2008 e Pós- Graduada em Método Pilates pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2014. Possui formação pelo Instituto Fortius e outras escolas em: - Podoposturologia e Palmilhas Ortopédicas - Posturologia Integrada - Fotogrametria aplicada à área da saúde - Cinesioterapia Funcional - Bandagens funcionais - Baropodometria - Avaliação da Marcha e Sensores Inerciais para Análise de Marcha Clínica - Low Back Pain - Avaliação e Reprogramação do Movimento - Formações em Pilates - RPG (Reeducação Postural Global) - Técnicas Osteopáticas / Mobilização Neural - Fáscias e Pompages. CREFITO5: 113.582F
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×