Técnicas

Eletrólise Percutânea Intratisular – EPI

Categoria
Fisioterapia
Fisioterapeuta

Descrição da Técnica

Introdução

A eletrólise é um tipo de corrente galvânica que produz alterações fisiológicas no
organismo, através de trocas eletroquímicas, estas trocas ocorrem devido a polaridade
das cargas que possibilitam destruir o tecido necrótico, produzindo liquefação.
Neste processo eletroquímico, as alterações fisiológicas revitalizam o tecido através
de uma nova resposta inflamatória que irá reconstruir a zona alvo.

O que pode ser tratado com EPI

Lesões agudas e crônicas do sistema músculo esquelético como:

  • lesões musculares
  • edema ósseo
  • tendinites e tendinoses
  • lesões ligamentares
  • tecidos fibróticos

Contraindicações da EPI

  • Idade avançada
  • Medo de agulha
  • Prótese
  • Osteossíntese
  • Marcapasso
  • Cardiopatias importantes
  • Gravidez
  • Doenças Oncológicas
  • Tromboflebite
  • Doenças de pele

Sobre o Procedimento

Procedimento simples, rápido e doloroso, deve ser feito uma avaliação prévia para
eleger o paciente. Após o primeiro passo, deve se fazer limpeza do local com álcool ou
antisséptico, retirar qualquer metal do paciente e posiciona lo. Por fim, é dado para o
paciente segurar o polo positivo e introduzir a agulha de acupuntura(polo negativo) no
local a ser tratado. Cada aplicação dura de 5 a 10 segundos, podendo ser feito mais de
uma vez. Sugere se que a técnica seja realizada 1 vez por semana, durante 4 a 8
semanas. O tratamento não sobrepõe outras técnicas podendo ser utilizado
concomitantemente com elas. No dia da aplicação é recomendado não realizar atividades
físicas e em alguns casos sugere se uso apenas de gelo local.

Image

Aproveite para agendar seu atendimento pelo WhatsApp

×