Artigo

O nosso objetivo como fisioterapeutas é fazer com que as pessoas, sintam-se melhores, movam-se melhor e vivam melhor, para tal utilizamos diversas ferramentas, como equipamentos específicos, mas o mais importante em nossa formação é a terapia-manual.

O termo é auto-explicativo, terapia das mãos, com essa única ferramenta, suas próprias mãos um fisioterapeuta pode tratar inúmeras doenças osteomusculares e até psicossomáticas.

O toque é um ingrediente essencial de tratamento na fisioterapia, isso vem do histórico da formação desta profissão, é claro que existem máquinas que podem auxiliar e muito em diversas ocasiões, mas o toque é o elo essencial entre o terapeuta e o cliente.

A terapia manual abrange um grande número de técnicas que quando combinadas com redução de movimento, postural e exercícios tem como resultado a melhora global do paciente.

Acreditamos que a terapia manual é muito mais do que apenas um auxiliar no tratamento, ou uma pequena alternativa, ela é o cerne da fisioterapia; até por anos o símbolo do curso foi uma mão.

Os fisioterapeutas utilizam suas mãos para identificar, diagnosticar e tratar o paciente, dessa forma a terapia manual pode ser considerada não apenas uma simples técnica, mas sim um modelo de raciocínio clínico sistematizado de atendimento.

Utilizamos as mãos como base do tratamento, juntamente com a educação do paciente a fim de promover a recuperação mais rápida e eficiente.

Como Funciona a Terapia Manual?

Basicamente a terapia manual pode causar alterações mecânicas no corpo e alterações neurológicas, alterações mecânicas em tecidos moles, seja por massagens profundas como a liberação miofascial ou o cyrax, assim como alterar a tensão em ligamentos e tendões através da mobilização de ossos, essas alterações nos tecidos moles geram informações que vão até o sistema nervoso central gerando adaptações nas regiões que modulam a dor.

Durante um atendimento Fisioterapêutico o que ocorre são normalmente três procedimentos básicos:

  1. Testes de localização e reprodução dos sintomas do paciente, através da provocação e alívio dos sintomas.
  2. Avaliação e tratamento das articulações com desordens músculo-esqueléticas com técnicas de translação/tração/compressão considerando a biomecânica específica de cada articulação
  3. Avaliação e tratamento de músculos e procedimentos específicos de ativação ou inibição.

A maioria dos autores indicam que a mobilização articular serve para manter e melhorar a mobilidade articular atual do paciente, assim como retardar a rigidez ligamentar e articular progressiva do envelhecimento e de algumas doenças.

Através da terapia manual, o toque na pele do paciente proporciona um acesso diretamente ao sistema nervoso central, além de um reposicionamento articular em muitas situações, tratando assim diretamente a causa e não apenas os sintomas.

Devido a estas especificidades da terapia manual ela requer uma formação complementar específica mesmo para profissionais habilitados em fisioterapia.

A História da Terapia Manual

A terapia manual não é exclusiva dos fisioterapeuta, mas de diversas profissões como osteopatas e quiropratas.

Cada profissão tem muito clara sua raiz de conhecimento e de seus conceitos, todos com certificação universitária e com estudo em suas áreas.

Existem diferentes inventores de cada disciplina, três deles norte americanos, todos sem nenhuma formação em medicina, e não satisfeitos com o que a medicina de sua época oferecia.

Podemos citar como pais da terapia manual moderna, Andrew Taylor Still, considerado o pai da osteopatia, a qual criou em 1874, Daniele Palmer, que fundou quiropraxia 1894, e em 1906 um aluno de Palmer fundou nos Estados Unidos da América a Naprapatia um pouco menos difundida no Brasil, que trabalha o tecido conjuntivo terapia manual, incorporou o exercício e a nutrição.

A Origem da Fisioterapia

Não se pode entender a origem da terapia manual, sem compreender a origem da fisioterapia, alguns estudos relatam a fisioterapia teve origem em 1900, como auxiliar de médicos, mas isso não foi bem assim…

A universidade de Zaragoza e a Goteborg, chegaram a um dado diferente citando o ano de 1813 como a criação da fisioterapia. Em 1813 Henrik Ling um sueco, criou o Central Royal Institute of Gymnastics em Estocolmo, e nele foram organizados massagens teerapeuticas e exercícios, por volta de 1860 já haviam institutos similares na Inglaterra, França, Áustria, Alemanha e Rússia.

Vamos revisitar a história e verificar os indícios de terapia manual que existem desde os mais antigos.

Sabemos que trações articulares, e manipulação articular, sempre foram usados, com equipamentos, de pedras, e de madeira, e históricos de mais de 5000 anos.

Hipócrates que era médico na Grécia Antiga, temos imagens em pedra onde ele aparece mexendo em pacientes com suas mãos.

Poderíamos chamá-lo de o primeiro fisioterapeuta, ao invés de chamar o primeiro médico. Isso seria bem interessante, pois parece que nessa imagem ele está tentando realizar uma tração, essas técnicas estão registradas, e entre outras recomendações estão descritas massagem de fricção que, que hoje no presente chamamos de liberação miofascial.

Na idade média temos imagens dos povos árabes realizando algo similar a massagens ou mobilizações na coluna.

Ainda na China antiga existem manuscritos sobre massagem que giram em torno de 1800 a.C.

No Egito Antigo existem referências a massagem também:

Na Grécia Antiga temos o médico Asclepíades um médico greco recomendava hidroterapia, massagem de fricção e exercícios, Galeno na grécia antiga (129 a.C. -199 d.C.) escreveu 16 livros sobre exercício e terapias manuais.

O Surgimento da Terapia Manual

O problema com a terapia manual inicia na idade média durante a peste negra, pois, havia medo do contato físico, então as pessoas param de tocar nos pacientes e desenvolvem instrumentos de tração.

Como falamos anteriormente em 1813 Henrik Ling um sueco, criou o Central Royal Institute of Gymnastics em Estocolmo, este instituto possuía uma formação de 3 anos, dois anos de estudo, focado em escolas primárias e secundárias e 1 ano de formação, focado em atendimento a pacientes, o instituto formava apenas homens. Se o estudante realiza-se os três anos de estudo recebia o título de Diretor Ginasta.

Em 1864 foram criados duas profissões reconhecidas através de luta de interesses com os médicos ortopedistas da época, os pedagogos ginastas ou os verdadeiros educadores físicos da época, os outros são os transformados em assistentes de médicos chamados de Médicos Ginastas. Além da formalização das profissões em 1964 as mulheres também passaram a ser aceitas no instituto.

Os médicos ginastas acabavam por estudar a postura correta e como corrigi-la, com exercícios e movimentos para aliviar e tratar dores, essa formação já inclui a dissecação anatômica, a fisiologia, psicologia em relação a pensamentos e sentimentos.

Essas são fotos da época dos tratamentos realizados no Instituto de Ling, movimentos passivos das articulações e com resistência manual, para fortalecimento e ativação muscular.

Inclusive técnicas manuais de desativação de pontos gatilhos já vem datadas dessa época, na foto acima vemos uma digito pressão em pontos gatilhos do pescoço para alívio de dores de cabeça.

A Evolução da Terapia Manual

Jonas Henrik Kellgren, é o homem que conseguiu transformar a fisioterapia para o formato como nós a conhecemos hoje, ele era diretor ginástico formado pelo Instituto de Ling, já seu irmão Arvid Kellgren se formou em medicina. O conhecimento dos dois combinado deu a Jonas o título de manipulador de nervos e da coluna vertebral.

Durante esse tempo, nos Estados Unidos em 1842 foi publicado pela primeira vez em inglês, “Therapeutic Manipulation; or Medicina Mecánica: a successful treatment of various disorders of the human body, by mechanical application”, que em uma tradução livre diz: Manipulação terapêutica ou medicina mecânica: um tratamento de sucesso para diversas desordem do corpo humano de J.G de Betou.

Ainda uma das melhores frases, que dizemos até hoje é de uma publicação feita em 1857 de C.F. Taylor em inglês “The movement cure” ou a cura pelo movimento.

A terapia manual ortopédica atual é uma integração da fisioterapia clássica de Ling, educação física, medicina desportiva, medicina ortopédica, osteopatia e quiropraxia, que tem como objetivo o tratamento de disfunções musculoesqueléticas e neuropsicossocial onde trata-se a pessoa como ela e não apenas o que ela tem.

A combinação atual de técnicas é muito maior que as citadas anteriormente, temos técnicas de Kaltenborn, Mckenzie, Maitland, Cyrax, Mulligan, Mobilização Neural, Osteopatia, Quiropraxia, Rolfing, Crochetagem, Dejarnette entre outras.

Para você compreender a mescla dessas técnicas, James Cyrax que criou um método de massagem profunda nos tendões, ensinou a técnica para seus assistentes em Londres. Freddy Kaltenborn, fisioterapeuta, que havia criado a técnica de tração e compressão articular, viaja em 1950 para londres conhece Cyrax e ainda entra na Oscola Britânica de Osteopatia para estudar, criando com colaboração de Alan Stoddard a Terapia manual ad modum Kaltenborn; e ao criar sua formação diz:

“Que não perdi minha identidade como fisioterapeuta, mas se não integro todos os novos conhecimentos”.

Referências

  • Bialosky JE, Bishop MD, et al. The mechanisms of manual therapy in the treatment of musculoskeletal pain: A comprehensive model. Man Ther. 2009;14:531-538.
  • Mobilização Manual das Articulações, Freddy M. Kaltenborn, 2005
  • Bases da Fisiologia da Terapia Manual, Marcel Bienfait, Ed. Summus, 1995
  • Vídeo – La terapia manual: de la historia pasada al futuro. José Miguel Tricás Moreno em https://www.youtube.com/watch?v=9y8SVcYN1No
  • Imagens encontradas no google em pesquisas relacionadas a Central Royal Institute of Gymnastics.
  • Vídeo – La terapia manual: de la historia pasada al futuro. José Miguel Tricás Moreno em https://www.youtube.com/watch?v=9y8SVcYN1N
Lucas Job

Lucas Job

Fisioterapeuta graduado pelo Centro Universitário Metodista IPA, 2010/1, Terapeuta Manual Certificado pelo Manual Concepts Institute da Austrália 2010, Formações complementares em Maitland, Mulligan, Mobilização Neural, McConnel, Kinesio Taping, Movimento Combinado, Spinal Stabilization and Knee and Shouder Reabilit, Kabat Valejo, Liberação Miofascial Instrumental, Dry Needling- Agulhamento a seco, Quiropraxia Clínica, Formação Pilates Aparelhos, Solo e Bola. Crefito: 158.083/F
×