Artigo

Dor não é um problema que se trata apenas com medicamentos, claro que cada caso é um caso, devemos levar em consideração a severidade do problema, a duração, os sintomas.

A dor está mais próxima da depressão ou ansiedade do que do câncer ou problemas cardíacos. A dor crônica é muito difícil de tratar devido a sua subjetividade, existe um leque muito amplo de parâmetros que são levados em consideração e ao mesmo tempo a capacidade do cérebro de focar na intensidade da dor, que é aqui que muitas pessoas ficam doentes.

Devemos alterar nossa forma de tratar as dores crônicas, deixar de tratar apenas os sintomas e focar na raiz da causa, o que necessita compreensão de técnica do teraêuta e compreensção e consciência corporal do cliente que deseja o tratamento.

Compreender o próprio corpo é um dos primeiros passos e talvez um dos mais simples que a pessoa que sofre de dor crônica pode dar, o autoconhecimento é primordial nesse momentos, mas não conhecer as limitações que o cérebro acabou impondo para proteção mas sim saber onde o alcance total de seu corpo pode chegar.

Deixar mais simples é melhor

Lembre-se que somos seres humanos, complexos, complexos neurologicamente e biomecanicamente mas também somos um pouco arrogantes como espécie em geral, pense que dentro de toda essa arrogância e egocentrismo acabamos acreditando que mesmo após de milhões de anos de evolução, nós em apenas uma centena de anos talvez menos, conseguimos experiência suficiente e sabemos responder qualquer coisa.

Suas costas doem? Então tome essa pílula, que não existia no ano passado!

Funcionou? Não?! Oh, então vamos realizar um injeção de uma substância diretamente em suas costas assim você irá se sentir melhor!

Agora depois de duas semanas, lhe pergunto, melhorou? Não?!

Que coisa, então não obteve o resultado esperado, vamos tentar cortar sua pele e literalmente abrir você, se não deu certo vamos para outra e outra cirurgia!

Parece maluquice ou parece muito familiar?

Talvez você pense agora, mas cirurgias são necessárias para tratar dores, então você deve concordar que lobotomias são necessárias para tratar depressão! É a mesma questão de lógica, a dor nem sempre está associada a uma lesão local.

O corpo pode se curar de um trauma mas o cérebro continua se lembrando e para evitar que você repita o processo ele te afasta, com dor!! O que você deve fazer é mostrar para ele que você está se preparando para melhorar a capacidade de movimento que você possui!

Cada vez mais estável, mais maleável mais forte e mais rápido!

Mas quando se trata de dor crônica em um espectro mais abrangente da palavra, parece que estamos tentando encaixar um círculo em um espaço para quadrado naqueles brinquedos de criança!

Brinquedo de Criança

Não importa a mistura que se faça de medicamentos, estamos trabalhando da forma errada!! NÃO ESTÁ FUNCIONANDO!!

É isso que estamos tentando modificar, não é apenas dar medicamentos e passar a dor sem tratar a causa, o paciente deve compreender que é capaz de se movimentar sem dor, é capaz de estabilizar seus segmentos articulares e se beneficiar dessa capacidade motora.

Vamos pensar no consultório médico como um restaurante “à la carte” onde você está tentando tratar sua dor, e o metre desse restaurante é o médico, e ele irá lhe oferecer o melhor vinho da casa e o melhor prato, ou seja os melhores tratamentos que ele tem em mãos, seus melhores medicamentos e em outros casos um “pequeno procedimento pouco invasivo”. Nós chegamos ao consultório e queremos nos livrar da dor o médico ouve os sintomas e consegue combinar as opções de tratamento com seus sintômas e então você sai de lá e vai comprar os medicamentos, sai com as sacolas cheias remédios e a cabeça cheia de perguntas!

E se seu médico em vez de lhe oferecer medicamentos lhe desse uma dose de exercícios ? Lhe passasse um programa de exercícios diário, Imagine que na visita inicial ele encontrasse uma disfunções no Quadrado Lombar (um músculo das costas, vulgo lombo) e essa disfunção está deixando seu Pssoas (outro músculo que vai da coluna para a virilha) está inibido e perdendo sua função essa combinação está causando-lhe dores nas costas e/ou no quadril.

Trilhando novos caminhos com velhos companheiros

Você consegue compreender que seus músculos lhe acompanharam durante todo seu desenvolvimento motor, desde o momento que seu Diafragma (o músculo que puxa o ar para dentro do peito) iniciou os movimentos, logo no primeiro segundo que você nasceu até o momento que você ficou em pé e conseguiu ativar cerca de 600 músculos de seu corpo e você simplesmente ignora o fato que eles precisam de MOVIMENTO.

Mas não qualquer movimento, devemos dosar os movimentos, já que estes companheiros estão parados no tempo a muito tempo não é?!

O Movimento é o melhor remédio, mas ninguém, ninguém mesmo pode realizá-los por você a não ser você mesmo.

O corpo se adapta, e se você forçar seu corpo a mudar de uma forma muito rápida e intensa ele irá compensar gerando desequilíbrios, e o que isso acarreta? Em mais dor, ou dor em lugares diferentes.

Atualmente estamos forçando nossos corpos a se adaptarem a uma vida de sedentarismo e eles lutam contra isso com dores e até em casos mais extremos o sedentarismo leva a morte, a OMS considera o sedentarismo a 4ª maior causa de morte no mundo!

Já falamos sobre isso em nossas lives, em outros artigos e o tempo todo para os clientes aqui na clínica, mas vale sempre lembrar, passamos muito tempo sentados, nossos corpos se adaptam a isso, mas não foram evolutivamente adaptados para tal, o que ocorre com essa adaptação forçada ao sedentarismo?

Nossos pés encaixotados, acabam por enfraquecer nossos músculos dos pés, nossos tendões de aquiles ficam encurtados, os flexores de quadris (psoas lá de cima) estão fracos encurtados e nossos glúteos que deveriam ser potentes estão inibidos, enquanto nossa cabeça fica projetada para frente e para baixo para olharmos apenas para nossos smartphones e telas de computador. É algo semelhante que ocorre com a barbatana das Orcas quando estão em cativeiro, elas ficam curvas, adaptam-se, nosso corpo está se adaptando e deixando as coisas diferentes do que a evolução havia preparado nos últimos 10 mil anos.

Como se remedia isso? Fortalecendo os músculos fracos, alongando os encurtados, estabilizando as colunas instáveis, corrigindo movimentos errados, estamos falando de movimento mesmo, em alguns casos utilizamos técnica de terapia manual para mover pequenas articulações mas os movimentos mais amplos são os mais necessários.

O senso Comum não deve mais ser tão comum

Quaisquer que sejam as razões não existem conexões lógicas para muitos dos profissionais da saúde do porquê a dor crônica está ligada a falta de movimento e como se trata isso.

O Corpo é um todo e muitas vezes a medicina foca em apenas um segmento isolado, trata sintomas ao invés de tratar a causa do problema, porque um joelho dói e o outro não se eles têm o mesmo tempo de vida em um sujeito??

Uma parte não pode estar bem, ao menos que o todo esteja bem, seu ombro vai doer se você não tiver mobilidade da escápula sobre as costelas, que tem ligação com a postura que sua pelve assume.

Se você só tem um martelo tudo é prego!

Um cirurgião de quadril sempre diz que cirurgia é a cura para dores de quadril, um massagista sempre vai dizer que massagem cura a dor, mas o que devemos fazer é combinar as ferramentas, terapias manuais, acupuntura e sim muito mas muito movimento para estabilizar e liberar os músculos.

Se você não começar a conhecer seu corpo e não se mover mais talvez entre em um círculo vicioso de dor crônica, dor muscular, dor articular, dor nervosa, compreenda que isso é apenas um rótulo, são apenas sintomas e não a raiz do problema. Tudo que os medicamentos para dor fazem é tratar os sintomas. Para eliminar os sintomas não seria mais inteligente tratar o problema?

Então o que você vai fazer? Vai no restaurante “À la carte” escolher como reduzir os sintomas ou vai tratar a causa?

Quer tratar a causa? Agende uma avaliação e inicie seu programa de reprogramação neuromuscular aqui na Clínica Fortius!

Lucas Job

Lucas Job

Fisioterapeuta graduado pelo Centro Universitário Metodista IPA, 2010/1, Terapeuta Manual Certificado pelo Manual Concepts Institute da Austrália 2010, Formações complementares em Maitland, Mulligan, Mobilização Neural, McConnel, Kinesio Taping, Movimento Combinado, Spinal Stabilization and Knee and Shouder Reabilit, Kabat Valejo, Liberação Miofascial Instrumental, Dry Needling- Agulhamento a seco, Quiropraxia Clínica, Formação Pilates Aparelhos, Solo e Bola. Crefito: 158.083/F
Do NOT follow this link or you will be banned from the site!
×